Eczema atópico e reunião familiar

...olá a todos e bênçãos para todos nós. Já vivi muitos milagres na Casa, por isso vou partilhar os principais. Cheguei pedindo a cura do meu "coração partido" em relação às minhas duas filhas que tinham quebrado todos os laços comigo. Um amigo tinha-me trazido um DVD a preto e branco que mostrava o João a trabalhar para que um homem paralisado pudesse andar. Eu estava sozinha no meu apartamento na ilha da Reunião, no Oceano Índico. A sala encheu-se de uma forte energia de Amor e eu fui obrigado a fazer a viagem, apesar do meu medo de ir sozinho. Foi um trabalho de Confiança. O campo energético da Casa deixou-me de rastos e, como segui o protocolo e a Orientação das Entidades, pude escrever às minhas filhas várias vezes a partir de um lugar de Grande Amor e sem julgamento. O meu coração tinha-se aberto. Demorou algum tempo, mas ambas estão de volta à minha vida de uma forma profundamente amorosa. No entanto, isso não é tudo. Eu tinha sido atormentada por um eczema atópico crónico desde o nascimento em todo o meu corpo, que era doloroso, irritante e inestético. Pedi às Entidades que o curassem de uma vez por todas. Poucos dias depois o eczema explodiu no pior episódio que alguma vez tinha tido. A minha cara ficou desfigurada como se tivesse sido queimada, não me reconhecia ao espelho. Sentia vergonha de sair do quarto da pousada e cheguei a ter dúvidas sobre o trabalho na Casa. Talvez fosse tudo uma farsa e eu ficasse para sempre com esta condição vergonhosa! Algo me fez continuar a confiar um pouco e esta crise durou 3 semanas, enquanto me aventurei a sair e recebi apenas bondade de "estranhos" na aldeia. Algumas pessoas trouxeram-me água da cascata sagrada, que eu apliquei no corpo ferido com algodão. Gradualmente, a dor e a fealdade foram-se atenuando à medida que eu prosseguia o protocolo da Casa. Fiquei curado desta doença que me afectou durante toda a vida e ela NUNCA mais voltou! No entanto, a principal cura foi no coração, pois vi que o Amor palpável em Abadiânia, onde quer que eu fosse, não se importava com a aparência de um corpo. O fluxo suave do Amor de Dom Inácio estava em todos os lugares e em tudo, prevalecendo sobre todas as dúvidas e medos. Tornei-me guia da Casa a partir de uma energia de tanta Gratidão e desejo de dar algo em troca e então outro milagre aconteceu. Estava a nadar no Oceano Índico, sozinha, depois de um ciclone. Sentia-me segura, feliz, alegre e ligada a Dom Inácio. Era de manhã muito cedo, numa praia totalmente deserta, logo após o nascer do sol. Nadei para fora, mas quando me virei para nadar de volta, fiquei chocado ao ver que tinha sido puxado pela corrente e estava muito, muito longe da praia. Eu sabia que não ia conseguir voltar! Havia ondas e correntes. Uma grande calma apoderou-se de mim enquanto rezava a Dom Inácio. Ouvi: "Fica calmo, continua a nadar suavemente..." Eu disse: "Está bem, se tiver que me afogar, que assim seja. Seja feita a vossa vontade! Tinha medo, mas nunca entrei em pânico. Dei por mim a dizer a D. Inácio, a Deus... não me importo, MAS se me salvar, prometo dedicar a minha vida a Deus e à Casa. Em pouco tempo, ao longe, na praia distante, vejo um vulto a correr pela praia com uma espécie de tábua debaixo do braço. Ele não vinha na minha direção, mas eu sabia que ele me ia apanhar. Passado algum tempo, ele chega, depois de ter dado a volta ao local onde eu estava. Disse apenas "agarra a prancha". Em silêncio e com calma, nadou-me de volta à praia. Eu estava exausto e perguntei-lhe apenas "Como te chamas"? Ele tem uns olhos azuis brilhantes e responde: "Christophe". Ao chegar à praia, caí na areia, com a cara virada para baixo, mas totalmente consciente. Virei-me para ele, cheio de profunda gratidão. Não estava lá ninguém! Nem sinal de ninguém! Ainda hoje consigo ver os seus olhos.... O resultado disto foi que continuei a levar grupos à Casa... e o milagre mais significativo para mim, posteriormente, foi ter-me sido mostrado um livro que mudou tudo, trazendo a maior cura no Coração e na Mente jamais imaginada, chamado "Um Curso em Milagres". Vi o livro numa pousada, sabia que era importante, esqueci-me completamente dele e, depois, um estranho deu-me um exemplar como presente, em Paris, no meu primeiro dia de regresso da Casa! O resto é uma história linda....
Encerro oferecendo homenagem a Grainne, que ao longo das provações e tribulações da vida da Casa, me ofereceu Grande Amor, apoio e uma boa gargalhada na amada vibração das minhas raízes irlandesas....Deus te abençoe, sua bomba de poder da Devoção...☘☘

Junte-se aos nossos 66 subscritores